Quinta-feira, 23 de Junho de 2016
Anedotas

 

Casamento no Céu

Um casalinho seguia no seu automóvel para a igreja onde iam casar quando são abalroados por um camião e morrem ambos.

Vão para o céu onde são recebidos por S. Pedro a quem perguntam se não seria possível casarem no céu já que não o tinham feito na terra.

  1. Pedro disse que sim e que trataria pessoalmente de satisfazer tão nobre pedido.

Passaram 3 meses e nada! Foram ter com S. Pedro e perguntaram-lhe o que se passava, ao que ele respondeu:

– Não se preocupem, pois eu estou a tratar do assunto, não está esquecido.

Passaram-se 2 anos e casamento, nicles! S. Pedro, uma vez mais, assegurou-lhes que estava a tratar do assunto. Finalmente, passados 20 anos, vem S. Pedro a correr com um padre e dirige-se ao casalinho:

– Vamos, chegou a hora!

Fez-se o casamento e foram felizes durante algum tempo, mas passados uns meses foram ter com S. Pedro e disseram-lhe que as coisas não

estavam muito bem e que pretendiam divorciar-se.

– Pode conseguir-nos isso aqui no céu?

E S. Pedro responde:

– Estão a brincar comigo ou quê? Levei 20 anos a encontrar um padre aqui no céu. Como é que vou agora encontrar um advogado

 

O Bife do José

 

Um certo José Manel da minha aldeia veio para a cidade em tempos antigos e começou a trabalhar num talho como moço.

O tempo correu e ele passou a oficial de talhante com muito mérito passando a conhecer ao pormenor todas as qualidades de carne com um simples olhar.

Certo dia de visita a uma quinta onde existia um restaurante de alta qualidade, resolveu entrar e almoçar.

Ao consultar o respetivo cardápio, verificou que o mesmo continha diversos pratos com imensa variedade e, entre eles os respetivos bifes de vaca, tais como: bife do lombo, bife do acém e bife da rabadilha, etc.

Cheio de curiosidade e para ver se eles de fato serviam os bifes que tinham na lista, pediu ao empregado de mesa um bife da rabadilha.

Passados alguns minutos o empregado colocou à frente do José um longo bife com aspeto maravilhoso. O José, olhou para o bife, virou dum lado, virou do outro e chamou o empregado reclamando que o bife não correspondia ao pedido, ele tinha pedido um bife da rabadilha e trouxeram-lhe um bife do lombo. O empregado levou o bife para a cozinha comunicando o fato ao cozinheiro homem batido nestas andanças de cozinha, que lhe disse com ar de rofia:

Ai, esse tem a mania que é esperto? Tá bem. Pegou no bife deu-lhe mais umas pancadas com o respetivo martelo e zaz, frigideira com ele e, mais uns pozinhos e está pronto a seguir para a mesa.

O empregado leva o bife para a mesa do José e pensava que estava o assunto resolvido, mas não.

O José chama o empregado e resolveu reclamar outra vez: Vocês estão a brincar comigo? Trouxeram-me o mesmo bife, só que desta vez foi mais uma vez á frigideira. Chame o gerente que eu quero falar com ele. O empregado apressou-se a chamar o gerente a quem o José explicou o sucedido. O gerente vai à cozinha protesta com o cozinheiro e a coisa ficou calma, mas o cozinheiro que não estava pelos ajustes e como tinha ali guardado para certas ocasiões a Co… da vaca, não olhou para trás e de faca em punho…zaz…zaz, corta as beiças da Co... da vaca e com umas pancadinhas, frigideira e… sai bife para a mesa do José.

O José ao aperceber-se da situação e perante o olhar do empregado deu meia volta à carne comeu e bebeu com satisfação. Finalmente chama o empregado a quem solicitou a presença novamente do gerente, e, com atitude de gozo dirigiu-se ao mesmo desta maneira:

Meu amigo eu vou-me embora, não vou pagar o almoço porque eu Co.., como-a de qualquer maneira mas o meu bife da rabadilha é que não veio.

publicado por Alegria às 21:12
link do post | comentar | favorito
|
.mais sobre mim
.pesquisar
 
.Setembro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
16
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
.posts recentes

. Curiosidades

. Album de Sabedoria

. Momento de Poesia

. Momento de Poesia

. Momento de Poesia

. Momento de Poesia

. Momento de Poesia

. Momento de Poesia

. Momento de Poesia

. Momento de Poesia

.arquivos

. Setembro 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Dezembro 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Março 2014

. Janeiro 2010

. Fevereiro 2008

. Novembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

.favoritos

. Momento de Poesia

.links
contador de visitas gratis
Contador de Visitas
blogs SAPO
.subscrever feeds