Domingo, 13 de Dezembro de 2015
Anedotas

O Dezoito

 

O António casou-se lá na província e no dia seguinte ao casamento, fez contar que tinha dado dezoito “Fod” na noite do casamento.

A notícia propagou-se e a partir daí foi alcunhado de “Dezoito”

Não sabendo lidar com a situação, deixou a esposa lá na aldeia e partiu para a zona de Sintra,

onde se empregou temporariamente numa quinta pertença a um juiz que fazia serviço em Lisboa;

Num belo dia de sol, andando o António a trabalhar na referida quinta passou por lá um individuo conhecedor do seu segredo, que se lhe dirigiu cumprimentando-o pela alcunha que conhecia “O Dezoito”.

A esposa do juiz que estava por perto, apercebeu-se do sucedido e dirigindo-se ao António muito descaradamente interrogou-o sobre o apelido que o transeunte lhe chamara.

Este muito aflito e não sabendo como explicar à patroa o sucedido, ficou bastante aflito e prometeu explicar isso noutra altura.

Mas a esposa do juiz com era muito sabida conseguiu dar a volta à questão e o António lá contou o sucedido.

Ao ouvir esta história, a senhora como andava um pouco carente perguntou ao António se ele seria capaz de repetir a cena, ao que, ele respondeu muito categoricamente que se tivesse como ele mesmo repetiria a cena.

Foi o que a senhora quis ouvir e logo ali convidou o António a cumprir essa obrigação fazendo uma aposta de um mês de salário, ao que o António aceitou prontamente.

Aproveitando a hora de trabalho do Juiz, deram inicio à sessão, mas o pobre do António ao completar o serviço à décima oitava não conseguiu ejacular pelo que a senhora negava-se a pagar a aposta por não ser cumprida a regra da ejaculação na décima oitava “Fod”.

O António retorquiu dizendo que se ia aconselhar muito sabiamente com o juiz esposo da patroa para ele decidir quem ganharia a aposta.

Quando foi chagada a horado jantar o António muito hábil fez a seguinte pergunta ao Senhor seu patrão:

Senhor doutor, certo individuo fez uma aposta com outra pessoa de com um cajado e sem interrupção deitar abaixo duma nogueira dezoito nozes duma só vez; finda a operação verificou-se que uma das nozes não tinha conteúdo. - Que ganhou a aposta?

O juiz pensou e rapidamente decidiu: Quem ganhou foi o homem do cajado, porque como deitou uma noz sem conteúdo ela na sua essência tinha o mesmo valor.

Assim o António ganhou a aposta.

 

Amanhã continuamos com esta questão.

 

publicado por Alegria às 21:32
link do post | comentar | favorito
|
.mais sobre mim
.pesquisar
 
.Setembro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
16
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
.posts recentes

. Curiosidades

. Album de Sabedoria

. Momento de Poesia

. Momento de Poesia

. Momento de Poesia

. Momento de Poesia

. Momento de Poesia

. Momento de Poesia

. Momento de Poesia

. Momento de Poesia

.arquivos

. Setembro 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Dezembro 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Março 2014

. Janeiro 2010

. Fevereiro 2008

. Novembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

.favoritos

. Momento de Poesia

.links
contador de visitas gratis
Contador de Visitas
blogs SAPO
.subscrever feeds