Domingo, 15 de Novembro de 2015
...

   A Neve                                                                   

 

Batem leve levemente                                                

Como quem chama por mim                                        

Será chuva? Será gente?                                            

Gente não é certamente                                            

E a chuva não bate assim                                               

 

É talvez a ventania;                                                

Mas há pouco, poucochinho,                                     

Nem uma agulha bulia                                              

Na quieta melancolia                                              

Dos pinheiros do caminho.                                    

 

Quem bate assim levemente                                  

Com tão estranha leveza,                                        

Que mal se ouve, mal se sente?                               

Não é chuva, nem é gente,                                  

Nem é vento, com certeza.                                  

                

Fui ver. A neve caía                                            

Do azul cinzento do Céu,                                

Branca e leve, branca e fria…                              

Há quanto tempo a não via!                                

E que saudade, Deus meu!                                          

                                                                           

Olho-a através da vidraça.                        

Pôs tudo da cor do linho.                                    

Passa gente e, quando passa,                              

Os passos imprime traça,                                   

Na brancura do caminho…                                

                                                                        

Fico olhando esses sinais                                

Da pobre gente que avança,

E noto, por entre os demais,

Os traços miniaturais                                          

De uns pezitos de criança…

 

E descalcinhos, doridos…

A neve deixa ainda vê-los,

Primeiro bem definidos,

…Depois em sulcos compridos,

Porque não podia erguê-los!...

 

Quem quem já é pecador

Sofra tormentos… enfim!

Mas as crianças, Senhor

Porque lhes dais tanta dor?!...

Porque padecem assim?!

 

E uma infinita tristeza,

Uma funda turbação

Entra em mim e fica em mim presa.

Cai a neve na natureza…

…E cai neve no meu coração.

 

 Augusto Gil

 

              Ser Soldado

 

       Batem leve levemente

       Na janela da caserna

Será chuva, será gente

Ou será o nosso Sargento

Que me anda na perna.

   Ah! Que bom este sonhar

Com o vento a embalar

E o luar de Janeiro

Na minha cama dormente

Agarrado ao travesseiro.

   Mas…aí vem o temporal

Ribomba o trovão lá fora

E eu sinto um empurrão tal

Que abro o olho direito

E disfarço com muito jeito.

   É o Sargento de Dia

Que sempre teve a mania

De me vir tirar do leito

E dizer com grande lata:

É malandro, está na hora

De descascar a batata.

   Triste vida a de um soldado

Mal fadado,

A quem não guardam respeito

Mesmo que tenha direito

De ser alérgico à batata.

 

 

     João Rodrigues - 1967

 

publicado por Alegria às 21:22
link do post | comentar | favorito
|
.mais sobre mim
.pesquisar
 
.Setembro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
16
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
.posts recentes

. Curiosidades

. Album de Sabedoria

. Momento de Poesia

. Momento de Poesia

. Momento de Poesia

. Momento de Poesia

. Momento de Poesia

. Momento de Poesia

. Momento de Poesia

. Momento de Poesia

.arquivos

. Setembro 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Dezembro 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Março 2014

. Janeiro 2010

. Fevereiro 2008

. Novembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

.favoritos

. Momento de Poesia

.links
contador de visitas gratis
Contador de Visitas
blogs SAPO
.subscrever feeds