Quinta-feira, 23 de Junho de 2016
Anedotas

 

Casamento no Céu

Um casalinho seguia no seu automóvel para a igreja onde iam casar quando são abalroados por um camião e morrem ambos.

Vão para o céu onde são recebidos por S. Pedro a quem perguntam se não seria possível casarem no céu já que não o tinham feito na terra.

  1. Pedro disse que sim e que trataria pessoalmente de satisfazer tão nobre pedido.

Passaram 3 meses e nada! Foram ter com S. Pedro e perguntaram-lhe o que se passava, ao que ele respondeu:

– Não se preocupem, pois eu estou a tratar do assunto, não está esquecido.

Passaram-se 2 anos e casamento, nicles! S. Pedro, uma vez mais, assegurou-lhes que estava a tratar do assunto. Finalmente, passados 20 anos, vem S. Pedro a correr com um padre e dirige-se ao casalinho:

– Vamos, chegou a hora!

Fez-se o casamento e foram felizes durante algum tempo, mas passados uns meses foram ter com S. Pedro e disseram-lhe que as coisas não

estavam muito bem e que pretendiam divorciar-se.

– Pode conseguir-nos isso aqui no céu?

E S. Pedro responde:

– Estão a brincar comigo ou quê? Levei 20 anos a encontrar um padre aqui no céu. Como é que vou agora encontrar um advogado

 

O Bife do José

 

Um certo José Manel da minha aldeia veio para a cidade em tempos antigos e começou a trabalhar num talho como moço.

O tempo correu e ele passou a oficial de talhante com muito mérito passando a conhecer ao pormenor todas as qualidades de carne com um simples olhar.

Certo dia de visita a uma quinta onde existia um restaurante de alta qualidade, resolveu entrar e almoçar.

Ao consultar o respetivo cardápio, verificou que o mesmo continha diversos pratos com imensa variedade e, entre eles os respetivos bifes de vaca, tais como: bife do lombo, bife do acém e bife da rabadilha, etc.

Cheio de curiosidade e para ver se eles de fato serviam os bifes que tinham na lista, pediu ao empregado de mesa um bife da rabadilha.

Passados alguns minutos o empregado colocou à frente do José um longo bife com aspeto maravilhoso. O José, olhou para o bife, virou dum lado, virou do outro e chamou o empregado reclamando que o bife não correspondia ao pedido, ele tinha pedido um bife da rabadilha e trouxeram-lhe um bife do lombo. O empregado levou o bife para a cozinha comunicando o fato ao cozinheiro homem batido nestas andanças de cozinha, que lhe disse com ar de rofia:

Ai, esse tem a mania que é esperto? Tá bem. Pegou no bife deu-lhe mais umas pancadas com o respetivo martelo e zaz, frigideira com ele e, mais uns pozinhos e está pronto a seguir para a mesa.

O empregado leva o bife para a mesa do José e pensava que estava o assunto resolvido, mas não.

O José chama o empregado e resolveu reclamar outra vez: Vocês estão a brincar comigo? Trouxeram-me o mesmo bife, só que desta vez foi mais uma vez á frigideira. Chame o gerente que eu quero falar com ele. O empregado apressou-se a chamar o gerente a quem o José explicou o sucedido. O gerente vai à cozinha protesta com o cozinheiro e a coisa ficou calma, mas o cozinheiro que não estava pelos ajustes e como tinha ali guardado para certas ocasiões a Co… da vaca, não olhou para trás e de faca em punho…zaz…zaz, corta as beiças da Co... da vaca e com umas pancadinhas, frigideira e… sai bife para a mesa do José.

O José ao aperceber-se da situação e perante o olhar do empregado deu meia volta à carne comeu e bebeu com satisfação. Finalmente chama o empregado a quem solicitou a presença novamente do gerente, e, com atitude de gozo dirigiu-se ao mesmo desta maneira:

Meu amigo eu vou-me embora, não vou pagar o almoço porque eu Co.., como-a de qualquer maneira mas o meu bife da rabadilha é que não veio.

publicado por Alegria às 21:12
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 9 de Junho de 2016
Anedotas

Com os olhos fechados

Na Escola:

A professora para o aluno:

Ruizinho porque é que faltou ontem?

O Ruizinho: É que a minha gata teve cinco gatinhos e são todos do Sporting.

A professora: Então amanhã quando o Sr. Director vier vai contar-lhe porque ele é do Sporting e por isso ele vai gostar de saber.

No dia seguinte quando o Sr. Director chegou, a professora dirigiu-se ao Ruizinho e…

Ruizinho explique ao Sr. Director porque faltou ontem.

Ruizinho: É porque a minha gata e teve cinco gatinhos, três são do Benfica e dois são do Sporting.

A professora: mas não foi assim que me disse ontem.

Ruizinho: Pois é que três já abriram os olhos.

Companhia de Burros

 

Irritado com os alunos, o professor lançou um desafio:

— Aquele que se julgar burro, faça o favor de ficar de pé! Toda a gente continua sentada. Alguns minutos depois, o Joãozinho levanta-se.

— Quer dizer que tu te julgas burro? — perguntou o professor, indignado.

— Bem, para dizer a verdade, não! Mas fiquei com pena de ver o senhor aí de pé sozinho!

 

publicado por Alegria às 21:28
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 2 de Junho de 2016
Anedotas

A Família Pobre

 Na escola, o professor mandou os alunos fazerem uma descrição de uma família pobre e a filha de um ricaço escreveu isto:

Era uma vez uma família pobre; o pai era pobre, a mãe era pobre, os filhos eram pobres, a cozinheira era pobre, o jardineiro era pobre, o «chauffeur» era pobre. Eram todos pobres.

 

Autocarro errado

 Entra um bêbado no autocarro e quando se vai a sentar quase que se senta em cima do colo de uma senhora e diz a senhora muito chateada para ele: - O senhor vai para o Inferno!!!!! Levanta-se o bêbado e chega-se ao pé do motorista e diz - Olhe podia deixar-me sair? É que eu enganei-me no autocarro.

 

O Buraco do Elevador

 

Dois amigos andaram juntos na paródia, toda a noite. No fim, um deles está tão bêbado, que o outro resolve ir acompanhá-lo a casa.

— Não posso subir a escada sozinho! Sou capaz de partir a cabeça. O amigo põe-o aos ombros, sobe ao terceiro andar, abre a porta e atira-o lá para dentro. Ao descer, fica espantado por o encontrar estendido no portal. Sobe com ele novamente, faz a mesma coisa, e, quando desce, encontra-o outra vez lá em baixo.

— Parece mas é que estás a gozar comigo!

— Vê lá mas é se fazes as coisas como deve ser. Já são duas vezes que me atiras pelo buraco do elevador!

 

publicado por Alegria às 21:13
link do post | comentar | favorito
|
Anedotas

Princesa Carlota

HAVIA UM REI que era solteiro, e os conselheiros instavan com ele, que se casasse, para deixar sucessores ao trono. O rei era amigo de caçar, e sempre que saía passava defronte de uma cabana, onde morava um velho pastor e sua formosa filha, chamada Carlota. Um dia disse o rei ao pastor:

__ Os meus vassalos querem que eu case, e tu és a única mulher de quem gosto; queres casar comigo?

__ Isso não pode ser, senhor; porque eu apenas sou uma pobre pastora.

__ É o mesmo, caso contigo; mas com uma condição, de nunca me contrariares nos meus desejos, por menos razoáveis que sejam.

__ Estou por tudo que Vossa Majestade me ordenar.

Realizou-se o casamento. O rei mandou para a cabana do pobre velho fatos de rainha, que ela vestiu, largando os seus trapinhos. Então, disse-lhe o velho pai:

__ Guarda esses trapinhos para quando te sejam precisos.

A filha guardou os trapos em uma caixa, que deixou em poder do pai, e partiu para o palácio.

Ao fim de nove meses deu à luz uma menina, tão formosa como sua mãe. Passados três dias entrou o rei no quarto da esposa e disse-lhe:

__ Trago-te uma triste notícia: os meus vassalos querem que eu mande matar a nossa filha, porque não se conformam ser um dia governados pela filha de uma pastora.

__ Vossa Majestade manda, e cumpre-me obedecer, respondeu a rainha, quase a saltarem-lhe as lágrimas dos olhos.

O rei recebeu a menina e entregou-a a um conselheiro. Tempos depois teve a rainha um filho, que o rei mandou igualmente matar sob o mesmo pretexto.

Alguns anos depois entrou o rei muito apoquentado no quarto da esposa e disse-lhe:

__ Vou dar-te uma notícia, de todas a mais triste, os meus vassalos estão indignados comigo; não querem que estejas em lugar de rainha, e dizem-me que te expulse do palácio. Por isso, querida Carlota, prepara-te, que tens de voltar para a cabana de teu pai.

__ Não se apoquente, Real Senhor; estou pronta a obedecer; parto já.

__ Tens que despir os fatos de rainha.

__ É o que já vou fazer.

E a rainha despiu todo o fato ficando em camisa.

__ Não dispo a camisa, porque encobre o ventre onde estiveram guardados os nossos filhos. (Disse a rainha).

O rei nada teve que objectar. Estava o velho pastor à porta da sua choça, quando viu aproximar-se a filha. Recolheu-lhe logo para dentro, tirou da caixa os antigos trapinhos e levou-os à filha para que os vestisse. Ela vestiu-os sem proferir um queixume. Continuou na antiga vida de pastora. Para ela a sua vida de rainha fora apenas um sonho; lembrava-se muito dos seus filhos e para estes eram todas as suas saudades. Passados anos voltou o rei a casa de Carlota, e disse-lhe que os vassalos instavam com ele, que casasse; e por isso tinha resolvido casar com uma formosa princesa de quinze anos.

__ Efectivamente, respondeu a pastora, um rei bom como Vossa Majestade merece ter uma descendência que lhe perpetue o nome.

__ Venho pedir-te o favor de voltares ao palácio para dirigires as criadas de cozinha. Bem sabes que a princesa há-de ser acompanhada por fidalgos, e vem igualmente com seu irmão mais novo; quero, portanto, servi-los com lauta mesa.

__ Estou pronta, logo que Vossa Majestade ordenar.

__ Chegam amanhã; deves ir hoje para o palácio.

Carlota foi, vestindo um pobre vestido de chita com que costumava ir à igreja. No dia seguinte chegou a noiva e o irmão, com outros fidalgos, e houve à sua chegada grandes festejos. Carlota estava governando na cozinha e aí a foi o rei encontrar.

__ Não vens ver a minha noiva?

__ Estou esperando quem me substitua aqui, enquanto vou e volto.

Chegou então uma cozinheira, e Carlota foi cumprimentar a noiva.

__ É muito linda! disse Carlota, beijando a mão da noiva: Deus conserve muitos anos a sua preciosa saúde. É digna do rei vai receber por seu marido.

A menina ficou estupefacta. Então o rei ajoelhou-se em frente de Carlota, e disse:

__ Olha que são os nosso filhos. Quis experimentar o teu coração: és uma pastora que vale mil rainhas.

Houve então mil abraços e beijos de parte a parte. O rei mandara os filhos para casa de uma tia, que os educava como príncipes, que eram, em vez de os mandar matar como tinha firmado à rainha..

 

Sapo Envergonhado

Era uma vez um sapo que vivia no seu charco feliz e despreocupado. Tinha o seu nenúfar particular, onde se postava a apanhar banhos de sol e a comer moscas que distraidamente violavam o seu espaço aéreo. Uma vez por outra, partilhava o nenúfar com uma fêmea do charco. Coaxava a tarde toda para ela e oferecia-lhe as moscas varejeiras mais suculentas que conseguia caçar. A fêmea ficava encantada e agradecia-lhe com um piscar de olhos e um coaxar lento e sedutor. Era uma bela vida.

Mas um dia a paz terminou.

Perto do charco, vivia uma menina que se chamava Clarinda. A madrasta fazia-lhe a vida negra. Quando o pai, que era carvoeiro, saí para o monte para fazer carvão, a madrasta obrigava-a a trabalhar arduamente. Era ela que cozinhava, arrumava a casa, dava de comer aos animais e cavava a horta. Passava o dia a trabalhar enquanto a madrasta se sentava à lareira a fazer meia.

O pior nem era o trabalho, que esse, que se saiba, nunca matou ninguém. Era antes a forma como a madrasta a tratava. Passava o dia a chamar por ela para que lhe fosse buscar isto e aquilo, estava sempre a dizer que a menina era uma desleixada e uma preguiçosa e que não servia para nada. Chegava mesmo a bater-lhe com um mata-moscas que costumava ter ao pé.

A Clarinda andava desgostosa e o pai, quando chegava a casa e a via assim, perguntava-lhe que tinha. Mas ela, que era boa, não queria dizer mal da madrasta e por isso encolhia os ombros e ficava silenciosa a arrumar a loiça do jantar.

– O que tu tens de arranjar é um príncipe – dizia-lhe o pai. – Tiravas-nos a todos da miséria em que vivemos e tornavas-te numa princesa. E, quem sabe, até poderias vir a ser rainha.

A madrasta ria-se e dizia:

– Ela rainha? Há-de ser rainha quando eu for imperadora.

E ria de tal modo, que a Clarinda estava à espera de a ver transformar-se em bruxa e sair pela janela em cima da vassoura de varrer a casa. Mas isso nunca aconteceu e a Clarinda olhava para a sua vida e concluía que, a menos que fizesse alguma coisa, seria cada vez pior.

E foi então que começou a imaginar que um príncipe, montado no seu cavalo branco, se haveria de perder na floresta e bateria à porta. Apaixonar-se-ia por ela e levá-la-ia consigo para o palácio. Esperou tanto que acabou por pensar que a floresta onde vivia era demasiado longe de qualquer palácio onde vivesse um príncipe que pudesse ali perder-se.

Lembrou-se entretanto das histórias que a mãe lhe contava acerca de príncipes transformados em sapos por bruxas malévolas. Quem sabe se, entre os sapos que por aí povoavam os charcos, não haveria um que era um príncipe?

Um dia à tarde, depois de arrumar a loiça do almoço, disse à madrasta que ia regar a horta, pegou no cântaro de barro e dirigiu-se ao charco onde costumava ir buscar água para a rega. Ao aproximar-se do charco, viu aquele nosso sapo conhecido em cima do nenúfar. Ele estava quase a apanhar um moscardo e ficou muito contrariado com a presença da menina, pois o insecto, com a agitação do ar, fugiu. O sapo mergulhou na água lodosa e foi caçar moscas para outro lado.

 

A Clarinda passou a ir ao charco sempre que podia e, para evitar sobressaltar a bicharada, aproximava-se com pezinhos de lá. Sentava-se numa pedra e ficava a apreciar o sapo em cima do nenúfar a caçar insectos. Havia outros sapos, é certo, mas era aquele, pelo seu tamanho, pela sua perícia e pelo coaxar afinado que lhe chamava mais a atenção. Ela acabou por se convencer de que ele era realmente um príncipe encantado.

A Clarinda estava tão convencida de que aquele sapo era um príncipe encantado que começou a tentar apanhá-lo para lhe dar um beijo. O sapo passou a viver em constante sobressalto, como medo de ser apanhado e acabar na panela, pois sabia que há gente que gosta de patas de rã estufadas.

De noite, a menina sonhava com o príncipe sapo. De dia começou a descurar as suas tarefas, a ponto de a madrasta passar a tratá-la ainda mais mal. Dizia que, se ela assim continuasse, que haveria de dá-la em casamento ao velho corcunda que via no Bosque dos Aflitos. Mas ela estava tão convencida de que tinha encontrado o seu príncipe, que qualquer ameaça passava por ela como a brisa matinal.

A sua principal preocupação era arranjar forma de apanhar o sapo para lhe dar o beijo do verdadeiro amor. Mas ele era demasiado esquivo e, quando a Clarinda estava quase a apanhá-lo, atirava-se à água e mergulhava para o fundo. O sapo, por causa disso, perdeu cor e emagreceu bastante. Pensava até seriamente em mudar-se para outro charco, pois naquele começava a ser impossível ter-se uma vida sossegada. E as queixas não eram apenas dele. A presença da criatura humana junto do charco tinha afectado a vida de toda a comunidade sapal.

Como os protestos se avolumavam, a comunidade decidiu reunir em assembleia para discutir e deliberar o que fazer. Um dos sapos mais velhos sugeriu que talvez a criatura humana pensasse que o nosso sapo era um príncipe encantado. E deu-lhe de conselho que se deixasse apanhar e beijar por ela. Quando a humana visse que ele não era mais do que um simples batráquio, haveria de deixá-lo em paz e tudo voltaria à normalidade.

O nosso sapo, embora com algum receio de ir parar a uma panela, deixou-se apanhar no dia seguinte. Sentiu a mão gretada e áspera da menina sobre o dorso liso e pegajoso e fechou os olhos com tremuras nervosas.

– Que querido que ele é! – exclamou a Clarinda.

O sapo encolheu-se todo. Estava pronto para o sacrifício. Só esperava que não fosse muito doloroso.

– Não sejas envergonhado – disse a Clarinda. – Um sapo tão catita como tu não precisa de corar diante de uma menina.

O sapo, se soubesse como, gostaria de explicar àquela humana que não era vergonha o que sentia, mas medo.

A Clarinda afagou-o mais uma vez, aproximou o sapo dos lábios e deu-lhe um beijo. O visado achou aquilo nojento e foi por pouco que não vomitou as moscas que tinha comido ao almoço.

Nesse instante, apareceu um jovem muito bem posto em cima de um cavalo baio e perguntou:

 

– Que faz a menina com esse sapo na mão? Não me diga que o vai beijar!

– Já beijei – disse ela.

– E que aconteceu? – quis saber o jovem.

– Apareceu-me um belo príncipe.

O jovem riu-se, ela riu-se também e logo se apaixonaram.

A Clarinda libertou o sapo, que saltou logo para o charco, feliz por ter escapado à beijoquice. O jovem acompanhou a menina a casa e prometeu visitá-la sempre que podia. Dois anos depois, casaram e foram muito felizes. Ele não era um príncipe daqueles verdadeiros, filho de rei e de rainha a viver num palácio cheio de guardas e de criados a quem poderia mandar fazer o que lhe apetecesse. Era filho de um mercador. Mas para a Clarinda era um príncipe e isso é o que importa.

Quanto ao sapo, voltou à rotina de que muito gostava. Ficara contente por saber que afinal era um sapo. Não lhe agradava nada viver o resto dos seus dias longe do charco, das moscas suculentas e do seu nenúfar.

 

publicado por Alegria às 21:09
link do post | comentar | favorito
|
.mais sobre mim
.pesquisar
 
.Setembro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
16
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
.posts recentes

. Curiosidades

. Album de Sabedoria

. Momento de Poesia

. Momento de Poesia

. Momento de Poesia

. Momento de Poesia

. Momento de Poesia

. Momento de Poesia

. Momento de Poesia

. Momento de Poesia

.arquivos

. Setembro 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Dezembro 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Março 2014

. Janeiro 2010

. Fevereiro 2008

. Novembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

.favoritos

. Momento de Poesia

.links
contador de visitas gratis
Contador de Visitas
blogs SAPO
.subscrever feeds