Terça-feira, 29 de Dezembro de 2015
Anedotas

Marcha Atrás

 

Um automóvel a grande velocidade atropela o peão. O condutor, voltando-se para trás, depois de travar, diz:

— Atenção, seu estúpido!

— Atenção para quê?

Pergunta o homem estendido na calçada.

O senhor vai fazer marcha atrás?

 

Na Biblioteca

 

Uma loira entra numa biblioteca, aproxima-se do balcão e diz à pessoa do outro lado:

- Queria um hamburguer simples e uma coca-cola!

- Minha senhora... Isto é uma biblioteca...

A loira fica completamente embaraçada, fica um pouco vermelha, olha em redor, olha novamente para a pessoa ao balcão e diz baixinho:

- Desculpe. Queria um hamburguer e uma coca-cola...

publicado por Alegria às 20:50
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 21 de Dezembro de 2015
Anedotas

O Buraco do Elevador

 

Dois amigos andaram juntos na paródia, toda a noite. No fim, um deles está tão bêbado, que o outro resolve ir acompanhá-lo a casa.

— Não posso subir a escada sozinho! Sou capaz de partir a cabeça. O amigo põe-o aos ombros, sobe ao terceiro andar, abre a porta e atira-o lá para dentro. Ao descer, fica espantado por o encontrar estendido no portal. Sobe com ele novamente, faz a mesma coisa, e, quando desce, encontra-o outra vez lá em baixo.

— Parece mas é que estás a gozar comigo!

— Vê lá mas é se fazes as coisas como deve ser. Já são duas vezes que me atiras pelo buraco do elevador!

 

O Microondas

 

A loira entra na loja e diz:

- Queria comprar aquela televisão.

- Desculpe, mas não vendemos coisas a loiras.

A loira fica indignada e vai-se embora.

Passados uns dias a loira regressa, com o cabelo pintado, e torna a dizer:

- Queria comprar aquela televisão.

- Desculpe, mas não vendemos coisas a loiras.

- Mas... Como é que sabe que eu sou loira?

- Aquilo não é uma televisão, é um microondas!

publicado por Alegria às 21:23
link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 20 de Dezembro de 2015
Anedotas

Compras de Natal

 

O juíz interroga o réu:

- Ora então de que é que o senhor está a ser acusado?

- De fazer as compras de Natal antes do tempo...

- Fazer as compras de Natal antes do tempo? Mas isso não é crime nenhum! Ora essa... Com que antecedência é que o senhor fazia as compras?

- Umas horas antes da loja abrir...

 

É para atestar

 

Entre dois amigos: "-A minha mulher anda a tirar a carta de condução, e anda tão entusiasmada que de noite enquanto está a dormir, põe-me a mão no pénis e diz, primeira...segunda...terceira..." responde logo o outro: "-Isso não é nada, a minha também anda a tirar a carta e de noite enquanto dorme, põe-me a mão no pénis enfia-o no cú e diz, É PARA ATESTAR POR FAVOR!!..."

 

 

publicado por Alegria às 21:19
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 15 de Dezembro de 2015
Anedotas

O Dezoito 3

Como a Senhora ficou irritada por ter que pagar ao António dois meses de vencimento, embora satisfeita com os serviços prestados e que o Sr. Doutor juiz não tinha tempo para cumprir, resolveu pôr mais uma vez testar as habilidades do empregado António da seguinte maneira:

A aposta seria a dobrar, quer para um, quer para o outro.

Desta vez o António tinha que dormir entre as duas filhas do casal, duas loiraças boas como o milho, uma com dezoito anos e outra com vinte, mas, sem lhe tocar o que é muito complicado para este homem de grande gabarito sexual. mas o António como um bom beirão aceita mais uma vez o desafio e partiu para a guerra dos chamados sexos.

Como combinado o António instala-se no meio das moçoilas, mas, atou o pénis com um cordel a uma das suas pernas. ora como era de esperar, as meninas é que não foram pelos ajustes e, quando o António fingia que dormia elas muito cuidadosamente cortaram o cordel e aí o António ficou com o animal à solta para puder pastar à vontade; como qualquer animal selvagem o bicho fez das suas e atacando pela esquerda e pela direita, foi uma noite de muito trabalho, que resultou num longo cansaço indo a senhora acordá-los já altas horas inundados em prazer.

Mais uma vez a senhora replicou e reclama a aposta, mas o António já tem a lição estudada e mais uma vez o Sr. Doutor juiz é chamado a resolver esta questão.

O António põe a questão desta maneira:

Sr. Doutor, certo individuo na minha terra tinha uma leira de terreno (isto é um bocado de terreno) entre outros; e um dia resolveu prender um burro no seu terreno afim de ele pastar, mas os vizinhos proprietários dos terrenos ao lado e com apetitosos pastos resolveram cortar a corda que prendia o animal, indo este para os terrenos alheios provocando alguns estragos.

A pergunta é: Tem que o dono do animal indeminizar os vizinhos por tal acto pelo qual não foi responsável?

O Sr. Doutor juiz mais uma vez analizou o caso e decidiu que o dono do animal nada tina que pagar pelos eventuais estragos nas propriedades vizinhas como até podia pedir uma indeminização por invasão de propriedade alheia pois a corda que prendia o animal foi cortada pelos mesmos.

E assim o Sr. Doutor juiz resolveu mandar o António para a sua aldeia pois ficou com receio que algo acontecesse ao seu velho corpo.

publicado por Alegria às 22:00
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 14 de Dezembro de 2015
Anedotas

O DEZOITO 2

 

A esposa do juiz não ficando satisfeita com o resultado resolveu continuar com esta aventura e propôs nova etapa ao empregado António.

Desta vez a proposta consiste no seguinte:

Ela, patroa, põem-se na posição de “quatro” e o António avança de pau ao alto e tenta enfiar dentro da Vagina e assim ganha dois meses de vencimento, caso contrário perde o que ganhou anteriormente.

O António avança, mas, erra o alvo e vai introduzir o varapau no buraco situado acima, o que deixa a patroa muito zangada dizendo que ele perdeu a aposta, pois a mesma era acertar na ranhura e não no buraco.

O António barafusta e apela novamente para o Sr. Doutor juiz nestes termos:

Sr. Doutor, certo individuo um dia fez uma aposta que eu vou contar da seguinte maneira:

Havia uma casa com a porta principal e por cima desta uma janela, a intenção era o individuo partir de longe com um varapau e enfiar o mesmo na porta, mas em vez de acertar na porta, acertou na janela que estava um pouco acima.

Quem fica vencedor desta etapa?

O juiz novamente é confrontado com um caso difícil sem saber o que se passa na própria casa.

Decidiu dar razão ao António dizendo que como o individuo acertou na janela melhor acertava na porta uma vez que a mesma era muito maior.

E assim a Patroa teve que levar onde não esta a contar e pagar ao António a respetiva quantia.

Mas a coisa não fica assim, a guerra vai continuar.

 

Até amanhã…

publicado por Alegria às 20:39
link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 13 de Dezembro de 2015
Anedotas

O Dezoito

 

O António casou-se lá na província e no dia seguinte ao casamento, fez contar que tinha dado dezoito “Fod” na noite do casamento.

A notícia propagou-se e a partir daí foi alcunhado de “Dezoito”

Não sabendo lidar com a situação, deixou a esposa lá na aldeia e partiu para a zona de Sintra,

onde se empregou temporariamente numa quinta pertença a um juiz que fazia serviço em Lisboa;

Num belo dia de sol, andando o António a trabalhar na referida quinta passou por lá um individuo conhecedor do seu segredo, que se lhe dirigiu cumprimentando-o pela alcunha que conhecia “O Dezoito”.

A esposa do juiz que estava por perto, apercebeu-se do sucedido e dirigindo-se ao António muito descaradamente interrogou-o sobre o apelido que o transeunte lhe chamara.

Este muito aflito e não sabendo como explicar à patroa o sucedido, ficou bastante aflito e prometeu explicar isso noutra altura.

Mas a esposa do juiz com era muito sabida conseguiu dar a volta à questão e o António lá contou o sucedido.

Ao ouvir esta história, a senhora como andava um pouco carente perguntou ao António se ele seria capaz de repetir a cena, ao que, ele respondeu muito categoricamente que se tivesse como ele mesmo repetiria a cena.

Foi o que a senhora quis ouvir e logo ali convidou o António a cumprir essa obrigação fazendo uma aposta de um mês de salário, ao que o António aceitou prontamente.

Aproveitando a hora de trabalho do Juiz, deram inicio à sessão, mas o pobre do António ao completar o serviço à décima oitava não conseguiu ejacular pelo que a senhora negava-se a pagar a aposta por não ser cumprida a regra da ejaculação na décima oitava “Fod”.

O António retorquiu dizendo que se ia aconselhar muito sabiamente com o juiz esposo da patroa para ele decidir quem ganharia a aposta.

Quando foi chagada a horado jantar o António muito hábil fez a seguinte pergunta ao Senhor seu patrão:

Senhor doutor, certo individuo fez uma aposta com outra pessoa de com um cajado e sem interrupção deitar abaixo duma nogueira dezoito nozes duma só vez; finda a operação verificou-se que uma das nozes não tinha conteúdo. - Que ganhou a aposta?

O juiz pensou e rapidamente decidiu: Quem ganhou foi o homem do cajado, porque como deitou uma noz sem conteúdo ela na sua essência tinha o mesmo valor.

Assim o António ganhou a aposta.

 

Amanhã continuamos com esta questão.

 

publicado por Alegria às 21:32
link do post | comentar | favorito
|
Anedotas

Aquelas Palavras São Dele

 

Estando um pregador a pregar o sermão duma festa numa aldeia serrana, entra um ébrio pela porta adentro e joelha-se em frente do púlpito com muito respeito, e faz as suas orações. A certa altura estava o pregador a pregar, o ébrio levanta a mão direita, com o dedo indicador para o lado do púlpito e disse: «Aquelas palavras são do profeta Isaías do antigo testamento». Calou-se e ficou sossegado. Depois passado algum tempo disse: «Agora aquelas são de S. Mateus».

O pregador já farto de o ouvir disse:

— Ah, seu ébrio, vá-se daqui para fora, está a tirar a atenção aos meus amados ouvintes. Torna o ébrio: «Agora aquelas palavras são dele».

publicado por Alegria às 21:30
link do post | comentar | favorito
|
.mais sobre mim
.pesquisar
 
.Junho 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
.posts recentes

. Momento de Poesia

. Momento de Poesia

. Momento de Poesia

. Momento de Poesia

. Momento de Poesia

. Momento de Poesia

. Momento de Poesia

. Momento de Poesia

. As más companhias

. O Fontanário

.arquivos

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Dezembro 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Março 2014

. Janeiro 2010

. Fevereiro 2008

. Novembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

.favoritos

. Momento de Poesia

.links
contador de visitas gratis
Contador de Visitas
blogs SAPO
.subscrever feeds